Sulamericano 1:8 Onroad 2011, por Cesar Salvadori

No último final de semana foi realizado o campeonato Sulamericano Onroad 2011. O que era para ser uma grande corrida, talvez devido à época do ano e outros motivos desconhecidos, acabou com um grid bastante reduzido e a participação de apenas um piloto estrangeiro.
Não bastasse o pequeno número de participantes, ficou decidido que as categorias Light e Pro correriam separadamente,  formando dois grids com menos de 10 pilotos e portanto finais diretas em ambas categorias.

Nos treinos livres os pilotos tiveram sessões de 7 minutos para fazer uma sequência de 3 voltas rápidas para a formação de grid. Na LIGHT Anderson Becheli (Mugen/ Novarossi) foi o mais rápido e na PRÓ Flávio Elias (Capricorn/ Max) como sempre foi o mais rápido.
A chuva caiu forte de sexta para sábado e a pista, ao contrário do previsto, foi preparada novamente. As primeiras sessões de tomadas seriam as mais importantes pois a pista estava no auge da aderência, porém a chuva iniciou novamente após a realização de apenas 2 tomadas de tempo.
Devido a pequena importância das tomadas para a corrida em si e a pouca oportunidade que os pilotos tiveram de andar, as duas sessões de qualify foram extremamente monótonas, com a maioria dos pilotos ainda acertando seus carros e selecionando motores.

A pole position da categoria Light ficou com o piloto Cesinha (Capricorn/ Max), e na Pró Flávio Elias confirmou seu favoritismo colocando seu carro em primeiro lugar no grid.

Domingo de sol e pista desconhecida já que a chuva de sábado castigou o circuito Samspeed e a única certeza era que a aderência insana de sábado não seria a mesma. No treino livre dos 4 primeiros colocados os pilotos andaram para achar a melhor combinação de pneus e decidir por fazer ou não a troca de pneus na corrida.

Final categoria Light

Cesinha é o único com uma troca de pneus programada, enquando Anderson e Guto Colvara optam por correr sem troca. Com a necessidade de abrir vantagem Cesinha pula na frente, seguido de Anderson e Guto. A corrida segue com o mesmo enredo até que Guto (Shepherd/ Max) se aproveita de uma tocada mais constante e assume a segunda colocação, mas sempre seguido de perto por Anderson.  Cesinha e Guto param sempre com 4 minutos, enquanto Anderson reabastece com 4’30”. Na metade da prova Cesinha para para colocar um novo set de pneus e volta na segunda colocação, agora com a obrigação de ir pra cima de Guto para reassumir a liderança. Os 3 líderes seguem sempre na mesma volta até que Guto abandona a disputa com um link da suspensão traseira quebrado quando ainda liderava. O título estava por ser decidido entre Cesinha e Anderson, separado por menos de meia volta. Anderson levava seu carro num ritmo constante e um pouco mais lento devido a estratégia de não trocar pneus, mas contava com uma parada de abastecimento a menos.  Faltando 10 minutos Anderson comete um erro e entra no box sem ser chamado, perdendo alguns segundos preciosos, mas mesmo assim, nos últimos 5 minutos e com uma parada de reabastecimento a menos, Anderson encosta no líder e o final de prova é emocionante com os 2 líderes separados por apenas 2 segundos. No final, Cesinha vence com tempo suficiente para abrir uma volta  a mais que Anderson e poder dar a volta do título comemorando muito. O resultado final ficou assim:

Campeão: Hugo Cesar Salomone “Cesinha” – Capricorn – Max
Vice-campeão: Anderson Becheli – Mugen – Novarossi
3º lugar: Daniel Felipe – Mugen – Novarossi

Final categoria Pró: 

Na final Pró a expectativa era unânime, Flávio Elias seria o campeão. Mas o azar que assolou a muitos neste evento, também pegaria o melhor piloto de surpresa.
Uma quebra de câmbio obrigou Flávio a correr os 45 minutos de prova apenas com a 1ª marcha.  Mesmo largando de trás após solicitar tempo e com o carro sem câmbio, Flávio brigou pela vitória a todo tempo, mas ainda teve que enfrentar problemas com motor por 2 vezes e cumprir um stop and go absolutamente sem propósito, ficando em segundo lugar.
Único piloto estrangeiro da categoria, Sebastian Recio liderou a prova inteira e mesmo sendo o único a trocar pneus sagrou-se campeão sulamericano 2011. Thiago Brenelli completou o pódio em terceiro lugar.
Resultado final:
Campeão: Sebastian Recio (Argentina) – Capricorn – Novarossi
Vice-campeão: Flavio Elias (Brasil) – Capricorn – Max
3º lugar – Thiago Brenelli – Capricorn – Reds

Parabéns aos campeões Cesinha e Seba!

Campeões Light: Leandro (mecânico) e Cesinha (piloto)

Campeões 1:8 pro: mecânico e piloto (Seba)

 

Fotos do evento:

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

Crédito das fotos: Jakeline Marques Becheli

 

One thought on “Sulamericano 1:8 Onroad 2011, por Cesar Salvadori”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *